Albuns solo ou albuns "selfies" ?

Published on by Wandique

"I am an island"

Sempre me perguntei o motivo real de muitos partirem para um disco solo. Isso me causa um certo desconforto gerado pela minha característica (costumamos chamar de "caráter" nossas limitações) de querer estabilidade num universo que a mudança, muito mais que uma fatalidade, é uma fator que sustenta sua própria existência. Minha geração foi educada dentro de conceitos muito fortes regidos pela "moral e bons costumes" (me pergunto se essas coisas existiram ou eram quimeras que nos protegiam da realidade?). Lealdade é um desses conceitos. Lealdade implica em confiança, algo que me parece não mais existir nesse dia que se chama hoje. Minha primeira desilusão foi o "fim" da dupla "Simon & Garfunkel". Mas e os Beatles ? Ora, os Beatles não acabaram, e além disso eles não eram uma dupla (o John uma vez disse com muita propriedade que os indivíduos que formavam os Beatles não eram os Beatles). A "dupla" sempre me remeteu à um tipo de relacionamento muito mais íntimo que um quarteto (no caso dos Beatles). Quatro pessoas é muito difícil se fazerem entender e seguirem um único rumo, mas dois somente? Cresci cercado de várias duplas que mesmo se findado nunca acabaram: Lauren & Hardy, Tom & Jerry, Batman & Robin, Bogart & Bacall ... Todos aqueles que "tomaram o seu rumo" produziram obras boas ou não tão boas mas, no meu parecer, seriam melhores se as parcerias tivessem continuado. Sempre que se pergunta o motivo do rompimento, a resposta de que "já era hora de trilhar nossos próprios caminhos" sempre me pareceu uma desculpa justificando o egoísmo inerente do humano (que hoje se chama de "individualismo"). Nos momentos de necessidade arremessamos uma montanha ao mar (por puro instinto de conservação) mas passamos a vida temendo a monstruosa sombra da solidão. 

Para vocês verem como a coisa é do capeta, o orgulho leva à esta temida solidão. Quando o Paul McCartney entrou naquele estúdio e gravou seu primeiro disco solo sozinho ele teve toda a liberdade do mundo para fazer tudo (ele tocou todos os instrumentos) com ele quis mas ele estava só. Quando o Garfunkel gravou seu primeiro disco solo ele confiava que sua (belíssima) voz bastaria para levá-lo à outro nível de estrelato. Ledo engano. O trabalho foi bom ? Claro que foi mas e se tivesse sido outro disco dos Beatles ou de "Simon & Garfunkel" ? A minha faceta preferida da música é aproximar pessoas, não afastá-las. Ouvir (e fazer) música é um ritual coletivo, como comer. É muito triste comer sozinho, ouvir musica sozinho. Perde-se o compartilhar do momento, a cumplicidade das emoções. É isso que penso e sinto  quando vejo alguém tirar uma foto de si mesmo no celular. Perdemos a oportunidade de abordar um desconhecido e pedir para tirar uma foto. Não ficamos sós, nos tornamos sós por escolha, por orgulho e medo. Seja numa foto, ao ouvir música com earphone (agora voltou a moda do headphone) ou no estúdio de gravação. Uma vez eu disse aqui que o que matou Janis Joplin não foram as drogas mas a solidão.

Albuns solo ou albuns "selfies" ?

Published on info

Comment on this post